Ministério do Trabalho busca soluções que reduzam impactos da saída da Ford do Brasil

Com o objetivo de achar soluções aos impactos trabalhistas e econômicos da saída da Ford no Brasil, o Ministério Público do Trabalho (MPT) participou da reunião virtual com o coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF (3CCR/MPF), subprocurador-geral da República Luiz Augusto Santos Lima.

O encontro aconteceu nessa segunda-feira (25). Na ocasião, o coordenador, que trata de defesa do consumidor e regulação da atividade econômica, tomou conhecimento sobre a atuação do MPT em prol dos trabalhadores afetados e explicou as medidas que vêm sendo tomadas pelo MPF.

O subprocurador-geral da República reforçou que a 3CCR/MPF instaurou procedimento administrativo em 12 de janeiro para acompanhar os impactos socioeconômicos e concorrenciais decorrentes do fechamento das fábricas de Camaçari (BA), Taubaté (SP) e Horizonte (CE).

A reunião contou com a participação do procurador-geral do Trabalho (PGT), Alberto Bastos Balazeiro, e membros do Grupo Especial de Atividade Finalística (GEAF) criado para acompanhar o caso. O grupo é composto pelos procuradores do MPT Flávia Villas Boas de Moura (coordenadora), Jefferson Luiz Maciel Rodrigues (vice-coordenador), Celeste Maria Ramos Marques, Afonso de Paula Pinheiro Rocha e Ronaldo Lima dos Santos.

Fonte: https://jornaldebrasilia.com.br/economia

Paulo de Pádua

Paulo de Pádua Vasconcelos é jornalista formado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem especialização em Assessoria de Imprensa, no Curso de Comunicação Social, concluído pela FESP. Trabalhou, como repórter, em vários portais do Estado, a exemplo do WSCOM e ParlamentoPB, no BLOG de Luís Torres, por um determinado período, e também foi repórter dos cadernos de cidade, policial e política dos Jornais A UNIÃO e do extinto O NORTE. Além disso, foi coordenador de Comunicação Social e depois coordenador do Portal da Câmara Municipal de João Pessoa. Atualmente exerce a função de assessor de imprensa da Presidência da Câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *