Prefeitura recebe 21 concentradores de oxigênio do Ministério da Saúde e reforça rede de assistência à Covid-19

A Prefeitura de João Pessoa, por meio da Secretaria de Saúde, recebeu, na manhã desta terça-feira (08), 21 concentradores de oxigênio que darão suporte ao tratamento de pacientes internados nos hospitais municipais Santa Isabel e Prontovida, referência para o combate da pandemia na Capital. A doação chega através do Ministério da Saúde, que também enviou aparelhos para outras cidades da Paraíba e demais estados do Norte e Nordeste.

Para o secretário de saúde do município, Fábio Rocha, a doação reforça a rede de saúde no combate ao coronavírus. “Beneficia nossa rede, mas principalmente nosso paciente que está internado, pois com a chegada dos concentradores estamos oferecendo mais chances ao paciente. É mais um suporte para a recuperação de todos aqueles atingidos pela Covid. Do ponto de vista médico, quanto mais suporte de oxigênio eu oferecer a um paciente com pulmão comprometido, mais conforto para respirar ele vai ter e mais chances de recuperação”, reforça. A secretária executiva da Saúde de João Pessoa, Rossana Sá, também participou da solenidade de entrega dos novos equipamentos.

“O Ministério da Saúde adquiriu esses concentradores de oxigênio e está encaminhando para reforço do combate da pandemia principalmente nos municípios da região Norte e Nordeste. Na Paraíba, são 185 concentradores, que funcionam como uma mini usina de oxigênio, dando suporte para estabilização dos pacientes, principalmente os mais graves, sem que precise de todo o procedimento de entubação”, explica Eridan Pimenta, superintendente do Ministério da Saúde na Paraíba.

Os concentradores são do tipo EverFlo da Philips Respironics, um aparelho com baixo consumo de energia, o que o torna uma alternativa econômica para quem precisa de suplementação de oxigênio com baixo fluxo, e capaz de produzir até cinco litros por minuto. Cada concentrador atende um paciente por vez, mas pode ser utilizado por outro após a alta hospitalar e higienização do aparelho.

O concentrador de oxigênio é indicado para quem precisa de oxigênio suplementar e funciona como uma alternativa ao uso de cilindros de oxigênio, uma vez que fornece a substância a partir do ambiente. De acordo com o exame da gasometria arterial ou com o indicativo de saturação, o médico poderá definir a melhor abordagem no tratamento se utilizando o cilindro ou o concentrador, bem como qual a quantidade de oxigênio o paciente deve receber.

Funcionamento – O concentrador de oxigênio funciona, basicamente, começando pela entrada do ar do ambiente no aparelho que, então, passa por um filtro de partículas, bactérias e vírus. Depois disso, ele percorre um compressor rotativo movido a energia elétrica e, em seguida, passa por um filtro de zeolite, responsável por absorver o nitrogênio do ar ambiente. Em seguida, o oxigênio vai para um reservatório e, depois, para um fluxômetro, onde é possível controlar a quantidade que será fornecida ao paciente.

Secom-JP

Paulo de Pádua

Paulo de Pádua Vasconcelos é jornalista formado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem especialização em Assessoria de Imprensa, no Curso de Comunicação Social, concluído pela FESP. Trabalhou, como repórter, em vários portais do Estado, a exemplo do WSCOM e ParlamentoPB, no BLOG de Luís Torres, por um determinado período, e também foi repórter dos cadernos de cidade, policial e política dos Jornais A UNIÃO e do extinto O NORTE. Além disso, foi coordenador de Comunicação Social e depois coordenador do Portal da Câmara Municipal de João Pessoa. Atualmente exerce a função de assessor de imprensa da Presidência da Câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *