Com filmes patrocinados pelo edital Walfredo Rodriguez na programação e apoio da PMJP começa o 13° Fest Aruanda

Considerado o maior evento cinematográfico da Paraíba e um dos mais importantes do circuito de exibição nacional, o Fest Aruanda foi aberto na noite desta quinta-feira (6), no Cinépolis, Manaíra Shopping. Nesta 13° edição, dos 21 filmes selecionados para serem exibidos ao longo de uma semana de programação, cinco deles são patrocinados pelo edital Walfredo Rodriguez, da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), que também está entre os apoiadores do Festival.

Estes filmes, inclusive, fazem parte de uma nova cena do cinema paraibano- muito mais produtiva e pujante, com investimentos de mais de R$ 8 milhões em editais do Walfredo Rodriguez e Linduarte de Noronha. Desse aporte, 38 novas produções ganharam as telas de projeção e ajudaram a movimentar um mercado cada vez mais em alta – o da economia criativa, como destacou o diretor executivo da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), Maurício Burity, durante abertura do Fest Aruanda.

“Saímos de uma fase onde os investimentos chegavam, no máximo, a R$ 200 mil, dentro do edital do Fundo Municipal de Cultura, com todos os segmentos incluídos. Com o Walfredo Rodriguez, exclusivo para o audiovisual, além da parceria com a Ancine, a gente lança anualmente um edital no valor R$ 3 milhões, uma verdadeira revolução. Estamos falando de uma cadeia que gera muitos empregos e que apresenta nossa cultura para fora, com filmes que estão percorrendo festivais pelo Brasil e exterior”, disse.

A noite de abertura do Fest Aruanda teve plateia lotada para assistir o curta-metragem ‘Ary Barroso – Ele Era Assim’, de Angela Zoé, e o longa-metragem ‘Todas as Canções de Amor’, de Joana Mariani. Um dos idealizadores do Festival, Lucio Vilar, também falou em tom de entusiasmo sobre o momento cinematográfico paraibano, ressaltando os investimentos da PMJP e a consolidação do Fest Aruanda.

“O Festival é vitrine do cinema paraibano e brasileiro, especialmente esse ano, porque estamos num grande momento. São seis longas-metragens da Paraíba concorrendo, e isso é uma coisa extraordinária, sem precedentes. São filmes que se destacam pela qualidade e isso tem o dedo da Prefeitura de João Pessoa, através dos editais que viabilizaram essas produções”, afirmou.

Outro destaque da abertura ficou por conta da entrega do troféu Memória Viva do Cinema Paraibano ao jornalista e escritor Wills Leal. “Recebo como uma dádiva, da amizade que eu tenho com estudiosos da sétima arte em todo o Brasil”, disse bastante emocionado. O Festival ainda está homenageando, pelo conjunto da obra, a atriz Patrícia Pillar, o ator Chico Díaz, além de homenagens póstumas ao diretor Roberto Farias e ao ator paraibano Cristovam Tadeu.

O 13° Fest Aruanda segue até quarta-feira (12), com uma programação que, além da exibição de filmes, conta ainda com mesas de debates sobre diversas temáticas envolvendo o segmento, com a participação de diretores, atores, professores, pesquisadores, gestores, críticos e aficionados por cinema. A programação completa pode ser conferida no link: https://midi.as/festaruanda2018.

Secom – JP

Paulo de Pádua

Paulo de Pádua Vasconcelos é jornalista formado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem especialização em Assessoria de Imprensa, no Curso de Comunicação Social, concluído pela FESP. Trabalhou, como repórter, em vários portais do Estado, a exemplo do WSCOM e ParlamentoPB, no BLOG de Luís Torres, por um determinado período, e também foi repórter dos cadernos de cidade, policial e política dos Jornais A UNIÃO e do extinto O NORTE. Além disso, foi coordenador de Comunicação Social e depois coordenador do Portal da Câmara Municipal de João Pessoa. Atualmente exerce a função de assessor de imprensa da Presidência da Câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *