Trabalhadores da Amazon e da Instacart protestam por segurança contra covid-19

Os funcionários de um depósito da Amazon e compradores e entregadores da Instacart protestaram nesta segunda-feira (30) pedindo medidas de segurança, destacando os riscos para os trabalhadores na linha de frente no abastecimento de americanos, que em grande parte estão em casa, devido à pandemia da Covid-19.

Estima-se que 50 a 60 funcionários tenham entrado em paralisação em um armazém da Amazon no bairro de Staten Island, em Nova York, exigindo que as instalações fossem fechadas e limpas depois que um trabalhador testou positivo para o coronavírus.

“Há casos positivos trabalhando nesses prédios infectando milhares”, escreveu no Twitter Christian Smalls, funcionário do armazém.

A Amazon respondeu à AFP que Smalls fez declarações “enganosas” e que ele deveria estar em quarentena. “Como todas as empresas que lidam com a pandemia de coronavírus, estamos trabalhando duro para manter os funcionários seguros enquanto atendemos às comunidades e aos mais vulneráveis”, afirmou a Amazon em comunicado.

“Tomamos medidas extremas para manter as pessoas seguras”.

Após o protesto, Smalls foi demitido, confirmou a Amazon à AFP. A decisão foi motivada pelo fato de ele não ter cumprido o pedido para permanecer em quarentena voluntária depois que esteve em contato com outro funcionário que apresentou resultado positivo para Covid-19.

“Colocou as equipes em risco. Isto é inaceitável”, afirmou a Amazon no comunicado.

A procuradora-geral do estado de Nova York, Letitia James, chamou de “vergonhosa, imoral e desumana” a demissão de Smalls e destacou que a lei protege o direito de protesto dos funcionários.

Enquanto isso, um grupo que se autodenominava Gig Workers Collective disse que mantinha seu pedido para que trabalhadores autônomos da Instacart entrassem em greve, apesar das novas medidas de segurança anunciadas no domingo pela empresa.

“Os trabalhadores não estão atendendo pedidos até que todas as nossas demandas sejam atendidas”, disse um porta-voz à AFP. “Não se trata apenas de nós, queremos também proteger nossos clientes”.

AFP / Angela Weiss
Entre 50 e 60 trabalhadores da Amazon saíram de um armazém de Nova York para exigir que as instalações fossem fechadas e limpas depois que um funcionário testou positivo para o coronavírus

Não ficou claro imediatamente quantos dos “compradores” da Instacart, que são trabalhadores independentes do “Gig Workers”, participavam da paralisação.

A Instacart, que anunciou recentemente planos de contratar cerca de 300.000 pessoas para ajudar a atender à demanda por entregas de supermercados, disse em comunicado que “está totalmente operacional”.

“Estamos atendendo à maior demanda de clientes na história da Instacart e temos compradores mais ativos em nossa plataforma hoje do que nunca, escolhendo e entregando mantimentos para milhões de consumidores”, disse a empresa de São Francisco, que opera em cerca de 5.500 cidades nos Estados Unidos e Canadá.

Uma fonte próxima às operações da empresa disse que a greve teve um impacto insignificante.

– Mais equipamentos de segurança –

A empresa, com sede em San Francisco, disse no domingo que forneceria novos equipamentos de saúde e segurança para os “compradores” e definiria uma gorjeta “padrão” com base nos pedidos anteriores dos clientes.

O grupo de trabalhadores, cujos números eram desconhecidos, chamou o Instacart de “uma piada doentia”.

AFP/Arquivos / Angela Weiss
Entregadores de alimentos da Instacart estavam entre os trabalhadores que se uniram nos EUA para pressionar por melhores medidas de saúde e segurança em meio à pandemia do coronavírus

“Estávamos pedindo desinfetante para as mãos há muitas e muitas semanas. Mas, aparentemente, a empresa é capaz de fornecer alguns com dois dias de trabalho? Onde estava isso antes”, disse o grupo em um post no Medium.

O blog publicou que a nova política de gorjetas não deve aumentar a compensação para os trabalhadores da entrega e ficará aquém das demandas por pagamento devido ao risco.

Enquanto isso, um grupo separado de trabalhadores da rede de supermercados da Amazon, Whole Foods, convocou uma paralisação de um dia na terça-feira para pressionar por medidas de proteção à saúde.

O grupo, que se autodenomina “Trabalhador Integral”, informou que estava buscando férias remuneradas para trabalhadores em quarentena, entre outras coisas.

Com grande parte da população dos Estados Unidos em isolamento, os americanos estão cada vez mais dependentes da entrega de alimentos e outros produtos de empresas como a Amazon.

Um relatório da NBC News indica que os funcionários da Amazon em dois armazéns do sul da Califórnia solicitaram o fechamento das instalações por duas semanas para esterilização, enquanto os funcionários são testados para o vírus.

A Amazon anunciou planos para contratar mais 100.000 pessoas nos EUA, enquanto a rival Walmart está tentando expandir sua força de trabalho em 150.000.

Paulo de Pádua

Paulo de Pádua Vasconcelos é jornalista formado pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Tem especialização em Assessoria de Imprensa, no Curso de Comunicação Social, concluído pela FESP. Trabalhou, como repórter, em vários portais do Estado, a exemplo do WSCOM e ParlamentoPB, no BLOG de Luís Torres, por um determinado período, e também foi repórter dos cadernos de cidade, policial e política dos Jornais A UNIÃO e do extinto O NORTE. Além disso, foi coordenador de Comunicação Social e depois coordenador do Portal da Câmara Municipal de João Pessoa. Atualmente exerce a função de assessor de imprensa da Presidência da Câmara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *